Voluntários da Seção de Costura apoiam atividades do Hospital

Postado em: 25/01/2016

Agulhas, alfinetes, linhas, tecidos, máquinas de costura e muito amor. Munido com esses materiais, o grupo de Voluntários da Seção de Costura da Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo (Enkyo) consegue realizar um trabalho notável, produzindo materiais essenciais, que são utilizados no dia-a-dia de uma grande instituição como o Hospital Nipo-Brasileiro (HNB).

Todas as terças-feiras, das 7 da manhã às 16 horas, o grupo reúne cerca de 20 Voluntários, em uma sala discreta no bairro da Liberdade, repleta de máquinas de costura (todas doadas) e abarrotada de tecidos e materiais de costura. Eles trabalham o dia inteiro, concentradas em suas tarefas, com rápido intervalo apenas para o almoço e café.

Nesse ambiente, graças ao trabalho incansável da equipe, os tecidos são transformados em itens como camisolas, fronhas, lençóis, campos cirúrgicos, toucas plásticas, calções plásticos, aventais plásticos, kimonos e aventais de cardiologia. Toda a produção é destinada aos atendimentos e procedimentos cirúrgicos realizados pelo Hospital Nipo-Brasileiro.

A costureira aposentada Mitsuco Yamachita, de 84 anos, iniciou seu trabalho como voluntária da Enkyo há 28 anos, e hoje coordena os trabalhos do grupo. “Decidi fazer algo pelo próximo porque trabalhei muito para mim, e achei que era hora de ajudar. Vou permanecer enquanto puder, porque a amizade é a coisa principal na vida, sem isso não somos nada”, afirma a coordenadora.

“Costurar para mim é um prazer, e fazer o bem para os outros não tem preço. Minha filha pede para descansar, mas eu vou parar quando sentir que é a hora. Esse trabalho não cansa, faz bem para a alma, e também fiz muitas amizades”, relata Ikuko Fugiy, de 85 anos, que trabalhou como costureira por 46 anos e mora em Osasco.

VIAGENS E PASSEIOS

Todos os anos, o grupo organiza passeios curtos de integração, visitando cidades como Campos do Jordão e Ibiúna, e promovendo uma Festa de Natal anual. Neste ano, o destino escolhido foi o Hospital Nipo-Brasileiro, porque muitas ainda não conheciam as instalações. A equipe foi recebida pela diretoria do Hospital, para uma visita oficial e almoço.

REFORÇO NA EQUIPE

Em janeiro de 2016, será aberta a oportunidade para que novos voluntários se juntem ao grupo. “Precisamos de pessoas que saibam costurar e venham toda semana, sempre às terças, entrando às 07 e saindo às 16h, e que tenham consciência que esse trabalho é sagrado, é um compromisso”, explica Yamachita.

“Ser voluntário aqui foi a melhor coisa que me aconteceu, convivendo com outras pessoas e fazendo o bem! Aqui todo mundo é igual e todos trabalham contentes, esperamos chegar a terça-feira, vir aqui e fazer o bem juntos. São coisas pequenas que fazem a alegria das pessoas de idade. É muito bom ser voluntário”, encerra Yoshitaka Takakua, de 74 anos, que atua no setor desde 2009 com sua esposa, Satiko.

Contato para novos voluntários:
(11) 2633-2384 / 2633-2211
servicosocial@hospitalnipo.org.br

Voluntariado no Brasil:
28% dos brasileiros já fizeram trabalhos voluntários
58% dos brasileiros estão dispostos a realizar atividades voluntárias
79% da população apresenta grande disposição para fazer doações

Motivação do voluntário:
55% - vontade de ser solidário
18% - incentivo ou influência de pessoas ou instituições
Benefícios do voluntariado:
51% - Sensação de bem estar
40% - Sentir-se útil
37% - Gratificação pessoal

Fonte: Fundação Itaú Social - Instituto DataFolha


Compartilhe: