Programa Jovem Aprendiz: Formando profissionais e cidadãos para o futuro

Postado em: 26/02/2015

Comprometido institucionalmente com as chamadas boas práticas de Responsabilidade Corporativa, através de ações de significativo alcance social, como o Programa Jovem Cidadão, o Hospital Nipo-Brasileiro (HNB) implantou também o Programa Jovem Aprendiz, que tem como objetivo principal a formação técnico-profissional e inserção no mercado de trabalho de jovens de 14 a 24 anos.

Além de se somar e de ampliar os objetivos do já consagrado Programa Jovem Cidadão instituído em 2003 pelo HNB, que oferece aos estudantes a oportunidade de ingresso no mercado de trabalho através de estágio remunerado em empresas e entidades filantrópicas, esse novo Programa Jovem Aprendiz proporciona uma maior qualificação aos adolescentes para lhes permitir uma melhor inserção social e profissional.

Através da aprendizagem criam-se oportunidades tanto para os jovens aprendizes quanto para as próprias empresas. Nesse processo, os jovens são preparados para desempenhar atividades profissionais e ter capacidade de discernimento para lidar com diferentes situações no mundo do trabalho, permitindo às empresas, paralelamente, a formação de mão-de-obra qualificada, cada vez mais necessária em um cenário econômico em permanente evolução tecnológica.

No Programa Jovem Aprendiz, a formação técnica e profissional é constituída por atividades teóricas e práticas, organizadas em tarefas de complexidade progressiva, em programa correlato às atividades desenvolvidas nas empresas que o instituem, proporcionando ao aprendiz uma formação profissional básica.

Formação

Em termos conceituais, esse programa é um contrato de trabalho especial, ajustado por escrito e de prazo determinado, com duração máxima de, em regra, de dois anos. A partir desse contrato, o empregador se compromete a assegurar ao jovem adolescente inscrito, com idade entre 14 e 24 anos, uma formação técnica e profissional metódica e compatível com o seu desenvolvimento físico, moral e psicológico. Adicionalmente, exige uma especificação do público –alvo, dos conteúdos programáticos a serem ministrados, período de duração, carga horária teórica e prática, mecanismos de acompanhamento, avaliação e certificação do aprendizado.

E essa formação realiza-se em programas de aprendizagem organizados e desenvolvidos sob orientação e responsabilidade de instituições formadoras legalmente qualificadas como, por exemplo, CIEE, SENAC, SENAI, SESI, etc. No caso do Programa Jovem Aprendiz do Hospital Nipo-Brasileiro, o SENAC-Itaquera, com uma proposta de trabalho in company, ou seja, dentro do próprio HNB, foi a entidade escolhida para ministrar a primeira edição do programa, realizada  no Auditório Prof. Dr. Keiichi Yamamoto.

Seleção

O Gerente de RH do HNB, Tooru Tanaka, explica que após um processo seletivo que compreendeu análise de histórico escolar, testes de conhecimentos, raciocínio lógico e redação, seguido de dinâmica de grupo, assiduidade nas cerca de 12 palestras programadas e especialmente voltadas para eles, o Hospital Nipo-Brasileiro selecionou inicialmente 20 jovens aprendizes de um total de 42 previamente inscritos.

Segundo Tanaka, o programa, com um ano de duração, contempla uma rotina mensal de 30 horas/aulas, sendo 9 horas/aula teóricas por semana em sala de aula, ministradas todas as terças e quintas-feiras, pela manhã; e 21 horas/aula semanais práticas, realizadas todas as segundas, quartas e sextas-feiras, das 08h às 13h, e às terças e quintas-feiras, à tarde, das 13h30 às 16h30, nos respectivos setores de atuação dos jovens selecionados.

Responsável pela formação dessa primeira turma de 20 jovens adolescentes selecionados  e com sete anos de experiência no SENAC, a professora Roseane Pesse explica que observados o principio constitucional da igualdade e a proibição de qualquer tipo de discriminação contra os direitos e liberdade fundamentais desses jovens, o HNB dispõe de total liberdade para selecionar o aprendiz, pois o referido contrato é de natureza especial e tem como objetivo principal a formação profissional do aprendiz.

Depoimentos

Como ex-integrante do estágio proporcionado pelo Programa Jovem Cidadão, Vitória de Souza Mota abriu mão de uma oferta de emprego no mercado, porém, fora de sua área de interesse, e voltou ao HNB, em que se submeteu ao processo seletivo e acabou sendo uma das 20 pessoas escolhidas para participar do Programa Jovem Aprendiz: “Quando percebi a oportunidade que eu sonhava de poder ser contratada pelo Nipo, não pensei duas vezes e hoje aqui estou tentando realizar meu sonho”.

Além dos sonhos de conseguir o primeiro emprego, outros jovens selecionados  como, por exemplo,  Eduardo de Oliveira Souza; Hugo Gomes da Silva, Bárbara Rodrigues Oliveira, Bruna da Costa Pereira, Yorrani Silva Fontes, Anne Dalete Queiroz Costa, Natasha Longuinho Thomaz da Silva, Lucas Pereira Matias e Gabrielly dos Santos Faria, todos na faixa de idade entre 16 e 18 anos, compartilham ainda a certeza de um aprendizado teórico e prático capaz de torná-los profissionalmente melhor e lhes abrir as portas do futuro.

Justificando a decisiva adesão  ao Programa Jovem Aprendiz, o Superintendente Geral do Hospital Nipo-Brasileiro, Dr. Walter Amauchi,  afirmou tratar-se de mais uma ação social identificada com a filosofia operacional da Instituição, voltada para a melhor formação e desenvolvimento dos jovens que o integram, que são preparados para o mercado de trabalho: “Esse novo programa agora instituído pelo HNB  tem como objetivo maior não só contribuir para a formação profissional desses jovens, mas, também, como cidadãos”.


Compartilhe: